VIAGEM A TRÊS CONTINENTES: EUROPA, ÁSIA (ISRAEL) E ÁFRICA (EGITO - 1985)

Partida: tarde de 4.8.85
Chegada: manhã de 3.9.85

DIA 6 – Munique

Assistimos a uma prévia de uma co-produção da Infafilm com uma companhia cinematográfica húngara: TOLDI.
Chuva torrencial a tarde toda.
À noite, jantamos com Sérgio e Marta em Schwabing. O Sergio abordou uma pessoa, sentada à nossa mesa, dizendo conhecê-la de uma filmagem. Esta replicou nunca ter participado de uma filmagem em sua vida porém, sempre que frequentava um ambiente onde houvesse artistas reunidos, era cumprimentado como um deles. Terminamos a noitada discutindo o problema da pouca divulgação da arte do 3º Mundo (especificamente, do Brasil) na Europa.

DIA 7 – Munique-Viena

Na viagem de trem para Viena, conhecemos um húngaro, que explicou tratar-se o TOLDI de um poema épico, ensinado nas escolas. Contou-nos o enredo, basicamente as peripécias de um herói medieval, extremamente forte, que participa de torneios e lutas, porém em sua velhice decepciona-se com a invenção do canhão, que acabou com o verdadeiro heroísmo.
O que faz um húngaro de terno e gravata na Alemanha? Um alto funcionário do Partido? Tentei provocar um “papo” político, comentando sobre o regime militar recém-encerrado no Brasil, e até fazendo analogia entre o estatismo brasileiro e o comunismo, porém ele não “abriu o jogo”.
Chuva torrencial ao chegar em Viena.
Noite em Grinzing, bairro boêmio (turístico), com lindas casas de vinho, floridas, onde turistas e vienenses se reúnem para beber e cantar.



DIA 8 – Viena

De manhã, palácio de Schönbrunn.


À noite, o Volksprater, gigantesco parque de diversões. Numa casa de danças, conversando com uma senhora absolutamente bêbada, ouvi a observação: “Por que vocês vêm a Viena, sendo o Rio de Janeiro uma cidade tão bonita?”. Tal como já tínhamos observado em Buenos Aires, também aqui reúnem-se, nas casas noturnas, pessoas de todas as idades para se divertir. Na mesa ao nosso lado, uma velha assistia, não sei com que pensamentos na cabeça, a seus filhos(as), genros, noras, caindo de bêbados, dançando, um dos rapazes passando a mão na bunda de cada uma de suas parceiras de dança. Alguns casais haviam trazido suas crianças consigo.


DIA 9 – Viena

De manhã, consulado húngaro, a fim de obter um visto. Depois, consulado egípcio, porém o visto só ficaria pronto na segunda, de modo que desistimos.
Visitamos o Vienna International Centre, onde estão sediados alguns organismos da ONU. Passeio totalmente dispensável.
Percorremos a Innenstadt, subimos a torre da Catedral de São Estêvão (foto), onde fica o sino Pummerin, forjado com o metal das armas tomadas aos turcos.
Jantar num pequeno restaurante polonês: Sobieski.


DIA 10 – Viena-Munique

De manhã, nosso passeio de despedida pela Viena imperial, desta vez (finalmente!) num lindo dia de sol. Ao pararmos num quiosque para comer salsichas, fomos abordados por um senhor negro que, ouvindo-nos conversar em português, perguntou-nos se éramos do Brasil ou de Portugal. Tratava-se de um intelectual haitiano, que atualmente leciona literatura africana de língua francesa em Washington, e que estudara Administração Pública na Fundação Getúlio Vargas no tempo do Juscelino (perguntou-nos se Lacerda ainda vivia!). Disse ter conhecido pessoalmente escritores e poetas brasileiros, tais como Jorge Amado e Cecília Meireles.


Compartilhamos a cabine do trem, na volta para Munique, com uma família tipicamente alemã, de Karlsruhe, e um pesquisador de carruagens de modelo Landauer (ainda hoje em uso no centro de Viena), assim denominadas por ter o imperador José I utilizado uma delas em sua viagem de Viena a Landau, na França.


DIA 11 – Interior da Baviera

Passeamos com o Sergio pelo interior da Baviera. A região, como o interior da Alemanha em geral, é tão linda que custa acreditar ter sido a nação sucessivamente abatida por calamidades, tais como a Peste Negra, Guerra dos Trinta Anos, Guerras Mundiais, que dizimaram cidades e populações!


Digno de nota o castelo de Neuschwanstein (foto abaixo), construído pelo rei Ludwig II, da Baviera.



DIA 12 – Munique-Tel Aviv

Viagem aérea para Israel. No aeroporto de Munique existe uma estação de embarque exclusiva para passageiros para Israel, onde são revistados exaustivamente todos os conteúdos de malas e valises (até os sacos com cuecas sujas!).
À noite, aniversário da Tita, na praia em frente ao hotel Daniel (Hertzlia).

DIA 13 – Tel Aviv

De manhã, ficamos por conta da obtenção de um visto para o Egito. À tarde, visitamos o Museu da Diáspora, onde está exposta, em forma de maquetes, slides, vídeos etc. a vida dos judeus fora de Israel, em todas as épocas.

DIA 14 – Mar Morto

Tio Mani levou-nos a um balneário, num hotel às margens do Mar Morto, com águas mornas (quase quentes), extremamente salgadas e viscosas, onde uma pessoa boia como se fosse uma cortiça!


DIA 15 – Nazaré e Cesaréia

Tia Anneliese levou-nos a Nazaré, pequena cidade de população árabe, onde existe uma velha Igreja ortodoxa, construída sobre uma fonte onde a mãe de Jesus teria vindo apanhar água.


Digna de nota é a Basílica da Anunciação, de estilo moderno, em cujo interior existem murais de diferentes países, retratando Nossa Senhora.
No retorno a Tel Aviv, fizemos uma pausa em Cesaréia, construída por Herodes como sede administrativa da Judéia, enquanto província romana.

DIA 16 – Tel Aviv

Sexta-feira. Os transportes públicos só funcionam até meados da tarde. Durante o shabat, são interrompidos, exceto em Haifa, onde a municipalidade rejeitou essa imposição dos partidos religiosos (minoritários, porém politicamente fortes em Israel, devido ao sistema parlamentarista, que permite coalizões interpartidárias), e nas regiões ocupadas na guerra de 1967, de população árabe, Jerusalém oriental por exemplo.
Os judeus ortodoxos representam um problema para o Estado de Israel, na medida em que não admitem um judaísmo menos tradicionalista ou um Estado judaico leigo e pré-messiânico. Parece-me que enxergam com desprezo os não-ortodoxos, e tentam impor, através de mecanismos políticos, os preceitos talmúdicos.
Fizemos uma caminhada por Jafa, pequena cidade originalmente árabe (na antiga Palestina, um importante porto, pelo qual entraram muitos emigrantes judeus clandestinos), colada com Tel Aviv, onde existe um mercado oriental e um complexo turístico, com restaurantes, bares, ateliês etc.


De volta ao hotel, fui à praia. Caminhando pela orla, subitamente vi-me numa parte frequentada pelos ortodoxos, com seus trajes bizarros: imensas bermudas e solidéus. Todos (os homens; as mulheres ficam à parte) entram na água exatamente no mesmo ponto, formando um “píer” humano – à distância, parece um formigueiro!
À noite, tio Mani levou-nos, junto com outros amigos, a um jantar festivo em casa do Gershon, com quem viemos a travar grande amizade.

DIA 17 – Norte de Israel


Gershon levou-nos a uma verdadeira maratona pelo norte de Israel. Subimos o litoral, atravessando Haifa, até Rosh Haniqra, no extremo norte, junto à fronteira com o Líbano, onde existem bonitas cavernas escavadas nas rochas pelo mar. A fronteira israeli-libanesa é separada por uma cerca de arames farpados, formando uma imagem desoladora (em Rosh Haniqra vêm-se os resquícios da estrada de ferro que, no tempo dos ingleses, fazia a conexão entre a Palestina e Beirute). Qualquer tentativa de atravessar a barreira é imediatamente detectada pelo exército israelense, através de um sistema de sensores.
Todo o Estado de Israel está cultivado; o kibutz não é um mito, ou produto de propaganda ideológica: faz-se presente em todo o território israelense. Em que outra nação do mundo existe uma estrutura agrária socialmente tão avançada, composta unicamente de voluntários, e altamente produtiva? Aquilo que os regimes comunistas tentaram fazer à força, à custa de milhões de vidas (lembrem-se da coletivização das terras na Rússia de Stalin), Israel concretizou de forma totalmente pacífica. Nenhum israelense é coagido a habitar um kibutz; assim mesmo, ele floresce e forma a base agrária do país!


DIA 28 – Tel Aviv-Cairo

Fizemos a travessia, através do norte do deserto do Sinai, para o Cairo. A chegada na capital egípcia impressiona, devido às moradias precárias e ruas sem calçamento e cheias de lixo (tem-se a impressão que os lixeiros estão em greve). Aqui entendemos o que é verdadeiro subdesenvolvimento, e causa estupor pensar que a Europa, com suas capitais de imponente arquitetura e belíssimos parques, e cidadezinhas do interior graciosas a ponto de parecer de brinquedo, também conheceu, na Idade Média, condições sanitárias e habitacionais que hoje vemos em países muito pobres. Os detratores do progresso, saudosos da “vida de antigamente”, deveriam fazer uma viagem pedagógica ao Egito, onde se vive hoje, no campo, em condições idênticas às dos tempos faraônicos.
Alguns bairros do Cairo parecem ter sofrido bombardeio recente, de tal maneira se amontoam as moradias, sem acabamento, com detritos sobre os tetos, etc. (um fator que contribui para o mau aspecto da cidade é o clima extremamente seco, havendo pouquíssimas chuvas no ano, fazendo com que haja poeira por toda parte; por outro lado, existem bairros de classe média, normais).


DIA 19 – Arredores do Cairo

Inicialmente, a excursão conduziu-nos a Giza, perto do Cairo, onde ficam as pirâmides e Quéops, Quéfren e Miquerinos: imensos monumentos de pedras, trazidas de quilômetros de distância, construídos por milhares de operários durante dezenas de anos... sem nenhuma utilidade pragmática! Para que tanto esforço, tanta labuta? Existem desígnios esotéricos por trás da construção desses colossos?
Também vimos a Esfinge, com seu sorriso enigmático, um dos monumentos mais antigos do Planeta, que durante séculos esteve coberta pela areia.


Depois, fomos levados a um bazar de artesanatos e a um centro de produção de papiro. Após o almoço, visitamos os resquícios (muito poucos), da antiga capital Mênfis. Finalmente, o sítio arqueológico de Sakkara, com a famosa pirâmide em escadas, e a mastaba (câmara funerária) de Idout.

DIA 20 – City Tour pelo Cairo

Pela primeira vez em nossas viagens, realizamos um City Tour. Segundo o Ricardo, o City Tour poupa-nos horas e horas perdidas em ônibus, metrôs, ou simplesmente nas ruas tentando obter informações. Eu era de opinião contrária: achava que exatamente essas horas e horas nas ruas, procurando saber que ônibus leva para não sei aonde, permitiam um melhor contacto com a população local. Ingenuidade minha: através de abordagens efêmeras nas ruas, não posso apreender muito sobre os costumes e problemas do país. Melhor ler um jornal ou revista local!


Passamos a manhã no Museu do Cairo que, por si só, justifica uma viagem ao Egito, tamanha a profusão de peças expostas, entre elas os objetos encontrados na tumba de Tutancâmon, única que permaneceu intacta, escondida dos salteadores, até o atual século.
À tarde visitamos uma antiqüíssima sinagoga (bastante destruída), a Igreja construída sobre a gruta onde, segundo a tradição, teria a Sagrada Família repousado em sua estada no Egito; a mesquita de Muhamed Ali (foto acima); o Bazar (foto abaixo - tumultuadíssimo: os carros fazem tamanha confusão, que se torna difícil transitar pelas vielas estreitas).


DIA 21 – Cairo

Até agora, restringíamo-nos no Egito às excursões em grupo. A barreira linguística absoluta (ou seja, o fato de eu não falar sequer “bom dia” em árabe) impede uma maior aproximação com o povo (se bem que, nos bazares e hotéis, o inglês seja corrente). Porém, sentir-me-ia frustrado se, do Cairo, tivesse visto apenas o que o guia em mostrara, ou rápidos relances da vida quotidiana através da janela do ônibus, de modo que me muni de uma planta da cidade e saí às ruas, com a intenção de apreender alguma coisa do dia-a-dia cairota. Descíamos a margem do Nilo, conformados com a imensa quantidade de poeira, sabendo chover raramente ali (95 por cento do país é desértico). Fátima observou que alguns carros buzinavam para ela, porém tranquilizei-a, dizendo que no Cairo é comum os motoristas buzinarem sistematicamente, sem nenhum motivo. A rua onde transitávamos era fortemente policiada, provavelmente devido à proximidade de várias embaixadas, entre elas a do Líbano, e também os policiais olhavam para nós. “Faz parte do ofício deles”, pensei. Num gesto de ecumenismo, entrei numa mesquita, deixando os tênis à porta pois, explicara-nos o guia, por ser um local sagrado, tem de estar absolutamente limpo. (Parece que a higiene dos árabes restringe-se aos locais santos; os profanos são extremamente sujos; o lixo se acumula por todos os lugares). Fui abordado por alguém que, provavelmente, tentava-me mostrar que eu estava fazendo alguma coisa de errado, porém, notando que eu nada entendia, desistiu. E por onde passávamos, éramos objeto da curiosidade popular, como se tivéssemos vindo de outro planeta. Até que, subitamente, entendi o porquê de nosso sucesso. As mulheres árabes vestem-se de modo a esconder completamente as formas do corpo, e a Fátima estava de bermuda e camiseta. A população do Cairo nunca havia visto desfilar por suas ruas uma mulher tão “nua” assim!


À noite, Som e Luz nas Pirâmides. A saída noturna descortinou-nos uma faceta mais simpática do Cairo: bairros de classe média, sem a miséria extrema da Cidade Velha. Os egípcios costumam sair às ruas à noite, e ficam sentados conversando e jogando.


DIA 22 – Cairo-Jerusalém

Travessia do deserto do Sinai. Enquanto as fronteiras de Israel com o Líbano, Síria e Jordânia são fortemente patrulhadas e cercadas, a fronteira entre Israel e Egito é completamente (ao menos aparentemente) desmilitarizada, e pode ser atravessada (passando-se por rigorosos controles).

À noite, passeamos à pé pela Cidade Velha de Jerusalém. A primeira impressão é bastante emocionante, as muralhas que cercam a velha Jerusalém são imponentes e belamente iluminadas, e à noite as ruelas estão livres do burburinho dos bazares, que tudo atravancam durante o dia.

DIA 23 – Jerusalém


Penetramos a Cidade Velha pelo Portão de Jafa, e caminhamos inicialmente pelo bairro armênio, onde visitamos um museu sobre a história e cultura armênias. Às vezes, ficamos impressionados com a ignorância dos estrangeiros acerca do Brasil: pensam que falamos espanhol, imaginam o Rio num eterno carnaval, cheio de “muchachas” bebendo tequila! (Em Jerusalém, um árabe num bazar disse ter um amigo no Brasil. Perguntamos em que cidade; “no Peru”, respondeu). No entanto, o que nós brasileiros conhecemos sobre o povo armênio?
Em seguida, dirigimo-nos ao túmulo de David, tentando driblar os religiosos que zelam pelo local, mas em vão: rezaram em intenção de meus pais e, ao final, pediram uma contribuição para a sinagoga (o que, durante a reza, eu já temia). Dei mil sheqalim, ele reclamou: “Isto é menos de 1 dólar”. Dei mais mil e quinhentos, ele pediu uma contribuição para o colega. A exploração do sentimento religioso é desgastante.
Ao lado, uma yeshivá (escola religiosa). Uma criança, ortodoxamente vestida, ameaçou cuspir-me, jogar-me uma garrafa d’água. Que os adultos se odeiem uns aos outros, é um fato ao qual nos habituamos. Mas o ódio inculcado a uma criança é deprimente.


Visitamos os lugares santos do Cristianismo: Igreja de Santa Ana, atrás da qual existem as ruínas de uma igreja do tempo dos Cruzados; Via Dolorosa (transformada num imenso bazar!); Igreja do Santo Sepulcro (“loteada” entre cinco correntes do Cristianismo: Copta da Abissínia, Católica Romana, Ortodoxa Russa, Ortodoxa Síria e Ortodoxa Armênia). A liturgia católica impressiona pela pompa, em contraste com os cânticos desafinados nas sinagogas e mesquitas. Dentro de um nicho, um monge ortodoxo de longas barbas e olhar místico clamava: “Terra Sancta! Terra Sancta!”, distribuindo aos visitantes um crucifixo e um saquinho contendo terra santa, em troca de doações voluntárias para a Igreja (e não reclamou que a doação era inferior a um dólar!). A prosseguir a distribuição da terra santa, dentro de alguns milhares de anos Israel tornar-se-á um deserto!


DIA 24 – Jerusalém

Percorremos metade do muro que cerca Jerusalém Velha (a parte que circunda os locais sagrados muçulmanos e o Muro das Lamentações está interditada para passeios). Por ser shabat, os bilhetes teriam de ter sido adquiridos na véspera; porém (em Israel também existe o “jeitinho”!) consegui adquiri-los num quiosque árabe.
Um árabe ofereceu-se para nos mostrar os lugares sagrados do Islamismo, alegando, como muçulmano, poder explicar-nos fatos inexistentes nos livros. Normalmente, tenho uma postura desconfiada, recusando oferecimentos e convites, do que às vezes me arrependo, pois me impede de travar contactos mais estreitos com as populações locais. Desta vez, despi-me das barreiras, e aceitei seus préstimos. Arrependi-me, pois seu inglês era incompreensível e suas explicações superficiais e com pitadas de antissionismo. Por exemplo, no Domo da Rocha, fica a rocha onde, segundo a tradição, Abraão iria sacrificar seu filho Isaac. Na mesma rocha, Maomé teria ascendido ao Céu. À luz da razão, é altamente discutível terem tais fatos ocorridos exatamente sobre aquela rocha, e não uma outra na proximidade, ou em outro local (se é que tenham realmente ocorrido, o que não discuto, por se tratar de assunto de fé). Porém o guia fez questão de frisar que, “ao contrário do que dizem os israelenses”, Abraão estivera em outra rocha, e não aquela.


Em seguida, visitamos o Muro das Lamentações, de grande significação para os judeus, por se tratar de resquícios do antigo Templo.

DIA 25 – Jerusalém-Tel Aviv

Pelos nossos planos, teríamos ido a Belém. Saímos do hotel com essa intenção. Porém, pensamos: aguentar novamente abordagens de crianças querendo vender postais, pseudoguias oferecendo seus serviços, vendedores de bazares impingindo suas mercadorias. Viajar pelas áreas árabes de Israel tem estes inconvenientes (se bem que os árabes, ao menos em relação a nós, brasileiros, mostraram-se sempre simpáticos, enquanto que os judeus, em virtude do constante estado de tensão militar, às vezes são um pouco ríspidos).
Conclusão: não fomos a Belém! Pegamos um táxi coletivo, e rumamos para Tel Aviv.

DIA 26 – Tel Aviv-Munique

Uma viagem a Israel, num certo sentido, é estafante. Em virtude da constante ameaça de terrorismo, frequentemente temos as bolsas revistadas, na entrada de museus, correios, lugares santos. Em Jerusalém, temos de estar em constante atenção, para não infringir as proibições das várias religiões: não podemos entrar de bermudas nas Igrejas, nem fumar em seus átrios; não podemos fotografar no shabat, no Muro das Lamentações ou no bairro ortodoxo; não podemos entrar nas mesquitas com sapatos ou camisetas. E qualquer infração aos regulamentos, é logo censurada aos gritos por zelosos guardiões da fé!
Adeus, TERRA SANCTA!

O contraste entre Israel e Egito é gritante. Ali confrontam-se o progresso (Israel) com o tradicionalismo (Egito). Enquanto o Egito é uma sociedade completamente conservadora, e profundamente religiosa, Israel representa o inverso: uma sociedade jovem, uma estrutura agrária avançada, uma população educada. Na Guerra da Independência (1948), Israel, e não os países árabes, era visto como o “mocinho”, inclusive pelo establishment comunista (a Tchecoslováquia forneceu armas aos judeus). Infelizmente, no zelo de se defender, Israel cometeu arbitrariedades, tornando-se antipático para um segmento da opinião pública mundial, a ponto de, num foro internacional, o sionismo ter sido equiparado ao racismo (o que é uma total distorção da realidade; o sionismo surgiu como movimento político, na Europa, no século passado, em reação ao antissemitismo, defendendo a criação de um Estado Judeu, preferencialmente na Palestina). O fato é que, no dia da sua criação, Israel foi invadido por vários exércitos árabes (Egito, Síria, Líbia, Jordânia) reunidos. A partilha da Palestina entre árabes e judeus, conforme preconizada pela ONU, foi por água abaixo. Os territórios que deveriam compor o Estado Palestino foram, na época, incorporados a Israel, Jordânia e Egito. Muitos árabes permaneceram no Estado Judeu, e lá vivem até hoje. Porém, os que se retiraram (com medo de arbitrariedades do exército judeu ou de retaliações dos exércitos árabes que “conquistariam” Israel?) multiplicaram-se e hoje formam um contingente sem pátria, trazendo instabilidade política para a região.

DIA 27 – Munique-Budapeste

Fizemos o trajeto de trem de Munique a Budapeste, passando por Salzburgo e Viena.


DIA 28 – Budapeste

De manhã, através de um City Tour, adquirimos uma visão global de Budapeste, e reciclamos nossos conhecimentos históricos e políticos sobre a Hungria (por exemplo, em 1919 a Hungria já vivera uma revolução comunista, sufocada por uma intervenção externa), bem como obtivemos informações estatísticas sobre a população, a economia (o salário médio húngaro é de 6.200 forint, equivalendo a 130 dólares americanos) – aproximadamente 2,6 salários mínimos brasileiros; valor muito baixo para padrões europeus, ainda que nos países socialistas não exista imposto de renda sobre pessoas físicas, e os preços dos serviços básicos sejam baratos – por exemplo, enquanto uma passagem ferroviária de 2ª classe entre Munique e Budapeste (710 km) custa 40 dólares, de Budapeste a Berlim a 1ª classe ficou-nos por 10 dólares, para um trajeto de 922 km.).


A arquitetura predominantemente do século passado, e o rio Danúbio separando o que outrora eram duas cidades distintas, Buda e Pest, empresta à cidade aquela beleza típica das capitais européias!
À noite, o Gúlyas Party, evento que recomendo a todo turista que visitar Budapeste, reunindo comida típica (salames e sopa de Gúlyas), música cigana, danças folclóricas e brincadeiras de salão. Mesmo a pessoa tímida ou reservada, após ter bebido alguns copos do bom vinho húngaro, se deixa contagiar pelo clima descontraído e simpatia do apresentador, e adere alegremente aos jogos: estourar um balão montado num cavalo de brinquedo, repetir uma complexa frase em húngaro. Os campeões ganham uma grande garrafa de champanha; os perdedores, uma garrafa pequena. A Fátima foi contemplada com um troféu no jogo das cadeiras, porém o mérito foi de seu parceiro (não eu! fui rapidamente desclassificado; seu parceiro foi um grego).
Em grandes mesas, grupos de variados países: italianos, gregos, cubanos. Um brasileiro empolgado dirigiu-se à mesa dos cubanos, elogiando: “Cuba, único país livre da América!”.

DIA 29 – Budapeste


Para atingir Berlim teríamos de atravessar território tcheco e alemão-oriental; assim, dedicamos a manhã à obtenção dos vistos de trânsito. Depois, fomos à estação ferroviária adquirir as passagens.
À tarde, fizemos um passeio à Igreja de Matias, sobre uma elevação, em Buda. Caminhamos até a margem do Danúbio, e atravessamos uma ponte para Pest.


DIA 30 – Budapeste-Berlim

Viajamos de trem de Budapeste a Berlim Oriental, através da Tchecoslováquia. Compartilhamos a cabine com um rapaz húngaro, que arranhava o alemão, de modo que pudemos nos comunicar. Viajava para Dresde (Alemanha Oriental). Quando eu disse: “Você vai para a Alemanha”, foi taxativo: “República Democrática Alemã não é Alemanha; a verdadeira Alemanha é a Alemanha Federal; República Democrática Alemã é uma merda!”.


DIA 31 – Berlim Ocidental

Chegando a Berlim Oriental, pegamos a S-Bahn até Friedrichstrasse, onde atravessamos a fronteira.
De manhã, fizemos compras.


À tarde, visitamos tia Wally, irmã de meu avô paterno, com 92 anos de idade, porém completamente lúcida, que nos narrou as desventuras pelas quais passou na Alemanha Nazista: a fim de escapar à deportação a Auschwitz, conseguiu forjar sua morte, obtendo um atestado de óbito, passando a viver na clandestinidade.
À noite, assistimos à gravação de um especial para a televisão alemã.

DIA 1 – Berlim Oriental

Passeio para Berlim Oriental.


Atravessamos a fronteira na estação de Friedrichstrasse, percorremos a Unter den Linden até a Torre de Televisão, de onde se descortina uma vista panorâmica da cidade, visitamos o museu da História Alemã.
Já é clichê comparar o colorido de Berlim Ocidental – construções modernas, trânsito intenso, letreiros por toda parte, vitrines sofisticadas, inferninhos, restaurantes de todos os tipos, pessoas com trajes os mais variados – com a austeridade de Berlim Oriental – poucos carros, na maioria Ladas, de fabricação soviética, pessoas vestidas sem imaginação, propaganda comunista onipresente.
Uma mesma cidade e, no entanto, mundos completamente diferentes, praticamente sem comunicação!
Sentado num bar ao ar livre, custava-me acreditar que aquele garçom atencioso que me trouxera a cerveja, os dois amigos da mesa em frente conversando entusiasticamente, todas aquelas pessoas alegres, comendo salsichas e bebendo, todos eles eram cidadãos de um regime ditatorial, que teve de construir um Muro para evitar a evasão da população.
Muito já se escreveu sobre as vantagens e desvantagens do comunismo ou do capitalismo. Passeando por Berlim Oriental, também formulei reflexões sobre o tema. O comunismo é produto de mentalidades idealistas, que se propuseram a melhorar o mundo. Os comunistas russos de 1917 estavam imbuídos das melhores intenções. Nos primeiros anos do novo regime, a Rússia Soviética era símbolo de progresso: Revolução Sexual, emancipação das minorias, vanguarda artística, liberdade de expressão. Alguma coisa saiu errada. Sabemos que nos países comunistas as necessidades básicas da população são atendidas: emprego, habitação, saúde. Porém tudo que existe de criativo, em termos culturais ou tecnológicos: o jazz, a computação, a tecnologia do “laser”, o dodecafonismo, o ônibus espacial, são produto de artistas, cientistas, intelectuais de países capitalistas.

DIA 2 – FIM

E assim terminou nossa viagem. Num ano negro para a aviação comercial, cheio de temores peguei o avião que me devolveu ao Brasil!

Nenhum comentário: