MACHADO DE ASSIS: TREZE MELHORES CONTOS
Se você tem curiosidade de ler Machado de Assis mas não sabe por onde começar ou tem medo de se decepcionar, este é o portão de entrada.
Se você já é fã do “bruxo”, tem aqui o suprassumo de sua obra, para levar no seu Kindle, tablet ou celular e ler e reler em todos os lugares: na fila de espera, no engarrafamento, no metrô, no trem, no avião, no parque, na praia, até mesmo em casa.
Mais informações clicando aqui.

ORIGEM DA EXPRESSÃO SOPA NO MEL



Quando me encontrei com Jaguar no Clube do Uísque (haverá lugar melhor para uma reunião de trabalho?) a fim de convidá-lo a ilustrar meu livro Português Prático, ao me referir à frase do Jânio Quadros, “Fi-lo porque qui-lo”, ele revelou que outra frase normalmente atribuída ao Jânio na verdade havia sido criada por ele, Jaguar. É a tal resposta à pergunta: “Por que você bebe?”. “Bebo porque é líquido; se fosse sólido, comia.”

Nesta mesma conversa abordamos a expressão sopa no mel, e Jaguar mostrou-se intrigado com essa combinação esdrúxula: sopa com mel? Em Locuções tradicionais no Brasil (pág. 251), Luís da Câmara Cascudo esclarece a perplexidade do Jaguar:

"Sopa não é o caldo contemporâneo, incompreensível para o entendimento da frase, mas uma fatia de pão torrado umedecida n’água em que fervem carnes e hortaliças. Sobre esse pedaço de pão molhado em líquido de cocção, constituindo a sopa antiga, a presença do mel duplicaria os valores do sabor e da nutrição. Era a ‘Sopa no mel’."

O próprio dicionário Houaiss registra esta acepção de "sopa": “qualquer pedaço de pão embebido em caldo ou outro líquido”, “qualquer bocado de pão”.

A expressão é antiga. Em Inocência, do Visconde de Taunay, escritor do século XIX, encontrei:

— Ora, pois muito bem, cai-me a sopa no mel; sim, senhor, vem mesmo ao pintar [no momento propício]...

Cair a sopa no mel significa (segundo o dicionário de “cearensês” do site Ceará-Moleque) uma situação em que uma coisa vai ao encontro da outra de modo ideal. "Eu estava gostando da menina e descobri que ela também estava gostando de mim. Foi sopa no mel!".

Diz uma velha quadrinha de origem portuguesa:

Fui à fonte com Maria
Encontrei-me com Isabel...
Isso mesmo é que eu queria
Caiu-me a sopa no mel!

Na “Balada para Isabel”, Manuel Bandeira utiliza a expressão:

Um mistério tão sorrateiro
Nunca o mundo não viu jamais.
Ah que sorriso! Verdadeiro
Céu na terra (o céu que sonhais...)
Por isso, em minha ingrata lida
De viver, é a sopa no mel
Se de súbito translucida
O sorriso azul de Isabel.

(Trecho do meu livro Sopa no Mel, publicado pela Editora Ciência Moderna. Um livro cheio de curiosidades.)

4 comentários:

Roger_Rio disse...

Aêêêêêêêê, Ivo!
Mais uma boa parada nessa doida internet!
Um grande reforço (e nem precisava!) para o blog "Literatura & Rio de Janeiro".
Poesia de qualidade e belas fotos! Tudo de bom!
Parabéns pela disposição. EU SEI como é difícil manter um site interessante em atividade. Já vi várias pessoas neste trabalho enorme. Eu mesmo tentei algumas vezes. Por isso te desejo: força e sucesso!
Abração.
Roger.

Anônimo disse...

Belo blog!

Saudações lusófonas.

Guga disse...

Visitei seu blog e adorei, uma das coisas de mais bom gosto que eu vi na net nos últimos tempos, tanto em termos plásticos como literários. (enviado por e-mail)

Lucia Pinto disse...

Adorei o blog sopa no mel!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! bjs Lucia Pinto (enviado por e-mail)