POEMAS SOBRE GATOS





O GATO
Aníbal Beça

O gato aparece à noite
com seu esquivo silêncio
de passos bem calculados
num jogo de paciência
as garras bem recolhidas
na concha de suas patas

O gato passeia a noite
com seu manto de togado
como se fosse um juiz
de presas resignadas
a sua sentença de sombras
seu apetite de gula

O gato varre essa noite
facho de suas vassouras
vermelhas de olhos ariscos
e alcança nessa limpeza
o movimento mais presto
o guincho mais desouvido

Mais que perfeito no bote
(tal qual Mistoffelees de Eliot)
do pulo que nunca ensina
tombam baratas besouros
peixes de aquário catitas
ao paladar sibarita

Nada à noite falta ao gato
nem a presteza no salto
nem a elegância completa
do seu traje de veludo
para o baile dos telhados
roçando as fêmeas no cio

O gato é ato em seu salto
e a noite luz do seu palco:
ribalta luciferina
lunária ária da lua
na réstia de seus dois gozos
é félix feliz felino

Guardei a sétima estrofe
para o canto do mistério
das sete vidas do gato
e seu tapete aziago
nas noites de sexta-feira
há provas do seu estrago.



SONETO DO GATO MORTO
Vinicius de Moraes

Um gato vivo é qualquer coisa linda
Nada existe com mais serenidade
Mesmo parado ele caminha ainda
As selvas sinuosas da saudade

De ter sido feroz. À sua vinda
Altas correntes de eletricidade
Rompem do ar as lâminas em cinza
Numa silenciosa tempestade

Por isso ele está sempre a rir de cada
Um de nós, e ao morrer perde o veludo
Fica torpe, ao avesso, opaco, torto

Acaba, é o antigato; porque nada
Nada parece mais com o fim de tudo
Que um gato morto.




OS GATOS DA TINTURARIA
Cecília Meireles

Os gatos brancos, descoloridos,
passeiam pela tinturaria,
miram policromos vestidos.

Com soberana melancolia,
brota nos seus olhos erguidos
o arco-íris, resumo do dia,

ressuscitando dos seus olvidos,
onde apagado cada um jazia,
abstratos lumes sucumbidos.

No vasto chão da tinturaria,
xadrez sem fim, por onde os ruídos
atropelam a geometria,

os grandes gatos abrem compridos
bocejos, na dispersão vazia
da voz feita para gemidos.

E assim proclamam a monarquia
da renúncia, e, tranqüilos vencidos,
dormem seu tempo de agonia.

Olham ainda para os vestidos,
mas baixam a pálpebra fria.




ENIGMÁTICOS
Maria Thereza Noronha

Mil vezes sim à casa e velhos hábitos
observando gatos em seus códigos,
que atravessar a praça onde montículos
de medo trazem sombra aos olhos trágicos.

Cem vezes não à fonte com meus cântaros,
inda que rodeada de preâmbulos,
mas entreter-me com gatos e seu lânguido
espreguiçar, em tarde de desânimo.

Mil vezes sim à casa e velhos séqüitos
olhando gatos – posto, às vezes vândalos –
rodopiem em sopro e pêlos sôfregos,
que percorrer cidades e seus ângulos

onde outros – esquálidos, telúricos
gatos – riscam em saltos acrobáticos
e sobre a humanidade sonambúlica
pousam olhos de luz, enigmáticos.











Fotos do editor do blog. A foto superior mostra um quadro de Gerson Machado.

7 comentários:

Jôka P. disse...

Ivo, maneiríssimo esse post sobre gatos ! Fotos legais, muito legais mesmo ! Abç!

Bel disse...

O seu blog está um primor. Sou sua fãzoca faz tempo. Deveria haver um concurso de blogs pra vc. ganhar de braçada!!!!!!!!!!!!!!!!!! Continue assim. Parabéns. (comentário enviado por e-mail)

Ana disse...

Esse lindo gato preto da foto é seu? Tens gatos? Eu tenho dois e oito cães! (Pergunta enviada por e-mail. Resposta: Esse gato preto é da Maria Thereza Noronha, a poetisa de quem sou fã - e de quem incluí um poema na postagem.)

khicky disse...

Adoro gatos também, teu blog é muito legal!

Denis disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Denis disse...

O blog tá 10! Os gatos são demais.

Anônimo disse...

E ainda gosta de gatos!
Nossa!
Fazia tempo que eu não conhecia alguém como vc.
Soñadora